A Câmara Municipal do Funchal dinamiza esta sexta-feira, dia 17 de abril, três eventos em direto na sua página oficial de facebook ao longo do dia.

Pelas 12h, o Presidente Miguel Silva Gouveia apresenta a primeira conversa da iniciativa “Falar Funchal”, que tem por objetivo ultrapassar o distanciamento social provocado pela atual crise de saúde pública, e de manter a proximidade com os munícipes do concelho. Esta iniciativa vai-se repetir todas as sextas-feiras em direto, com convidados reconhecidos pela sua competência e mérito nas respetivas áreas, em conversas que serão abertas ao público, permitindo que sejam colocadas questões aos interlocutores. A primeira convidada será a Conselheira Municipal para a Igualdade, e histórica sindicalista madeirense, Guida Vieira, tendo como temas a preponderância do Estado Social, a igualdade de género e os direitos das minorias e dos mais desfavorecidos.

Pelas 18h, o Município dinamiza, por sua vez, um debate por ocasião do Dia Europeu da Informação aos Jovens. O tema serão as políticas de Juventude na cidade do Funchal e, em especial, a elaboração do Plano Municipal de Juventude (PMJ), que está em curso. O debate será moderado por João Francisco Dionísio, coordenador do PMJ, contará com a intervenção do Vereador João Pedro Vieira e vai reunir 5 jovens representantes de associações juvenis regionais: Carlos Abreu, Presidente da AAUMA; Vítor Mendonça, Presidente da Associação de Estudantes da Escola dos Barreiros; Joana Jardim, Presidente da AJEMed – Associação Juvenil de Medicina da Madeira; Simone Sousa, dirigente do Corpo Nacional de Escutas (CNE); e Gonçalo Sousa, da Associação de Jovens Advogados da Madeira.

Finalmente, pelas 21h, no âmbito da iniciativa “A Cultura Que Nos Une”, terá lugar, em direto do Complexo Balnear do Lido, um concerto de Miro Freitas, que será igualmente transmitido na página de instagram do Município. Recorde-se que a CMF preparou 40 eventos gratuitos a serem transmitidos nas redes sociais da Autarquia em abril e maio, numa iniciativa com vista a apoiar a sustentabilidade dos artistas regionais, mas igualmente a garantir a democratização no acesso à cultura como um bem essencial, mesmo durante os tempos que vivemos.