A Câmara Municipal do Funchal deliberou, esta semana, a atribuição de apoios financeiros ao associativismo cultural e a atividades culturais de interesse municipal, para o ano de 2021. Os apoios em causa ascendem a 300 mil euros, um aumento de cerca de 40 mil euros em relação à primeira deliberação do ano passado, e abrangem um total de 38 entidades, sendo que será aprovada ainda no mês de fevereiro.

O Presidente Miguel Silva Gouveia enaltece que, desde o início da crise pandémica, “a CMF tem-se empenhado no sentido de defender o direito à cultura por parte dos funchalenses e o direito à criação artística por parte dos profissionais do setor cultural na Região, pelo que esta é mais uma forma de reiterar o compromisso de apoiar estes profissionais, e de garantir que as produções culturais do concelho continuam a chegar a todos os funchalenses. Ao longo do último ano, a cultura no Funchal nunca parou, e vamos fazer tudo para criar semelhantes condições em 2021 e ajudar este setor a ultrapassar as dificuldades que continuam a fazer-se sentir de forma severa.”

Miguel Silva Gouveia explica que “estes apoios são atribuídos mediante candidaturas efetuadas pelos agentes e entidades culturais do concelho para a realização de projetos específicos, de acordo com um regulamento desenvolvido pelo atual Executivo e que está em vigor há vários anos”, e nota que “a CMF tem vindo a gerir a atual situação crítica em várias frentes, pelo que está a ser feita, como se impõe, uma gestão equilibrada e responsável quanto à atribuição de apoios, perante o cenário excecional e delicado que continuamos a viver.”

Nesta deliberação, explica o Presidente, “foram privilegiadas mais uma vez entidades culturais que dependem especificamente destes apoios para poderem subsistir a nível profissional”, acrescentando que “neste momento, e dado o clima de incerteza que ainda é vivido por todos, continua a haver uma série de eventos e iniciativas cuja realização ainda não está garantida, mas que a Autarquia estará disponível para apoiar a posteriori.”

Entre as associações apoiadas este ano, destacam-se o Teatro Feiticeiro do Norte (40 mil€), a Associação dos Amigos da Arte Inclusiva – Dançando com a Diferença (30 mil€), a Porta 33 – Associação Quebra Costas (27 mil€), a Fundação Cecília Zino (24.799€), a Associação de Bandolins da Madeira (12 mil€), o ALESTE – Associação Cultural (12 mil€), a Associação Nuvem Aquarela (10.500€), a Associação Recreio Musical União da Mocidade (10.500€) e a Banda Municipal do Funchal (9 mil€). Serão, igualmente, apoiados cerca de duas dezenas de artistas em nome próprio.

“Para além da pandemia, e à semelhança do que já havia acontecido no ano passado, o Orçamento da Câmara Municipal para 2021 voltou a ser chumbado em Assembleia Municipal pelo PSD e pelo CDS, e é incontornável que isso condicionou uma vez mais a atribuição de apoios ao associativismo.”

“No Funchal, a cultura não vai parar. Vamos continuar a fazer o nosso melhor com as circunstâncias que temos, a responder presente aos desafios, a defender os nossos princípios, a apoiar os artistas e a sustentabilidade do setor, e a garantir uma cultura acessível a toda a gente, porque a cultura é um bem essencial”, conclui.